Acesso do Candidato

Informe seus dados abaixo para visualizar ou atualizar seu curriculum.

CPF:

Data Nasc.:

Informativo

Cadastre seu e-mail e receba nosso informativo periodicamente.
Email:

Enquete

Como você conheceu a DP?
Panfleto
Jornal
Busca na internet
Amigos
Mídias Sociais
Rádios
Outdoor
Cartazes nas ruas
Como Medir a Inovação?

Dicas

Como Medir a Inovação?

Publicada em: 12/01/2015

O termo “inovação” é desafiador e, ao mesmo tempo, confuso. Muitos acreditam que inovação é o mesmo que criatividade. Bastaria gerar uma série de ótimas ideias e o processo inovador seria iniciado. Da mesma forma, a genialidade humana, expressa por grandes pesquisadores e empreendedores, seria unicamente necessária. 

Felizmente, inovação não se resume em criatividade, ótimas ideias ou pela genialidade humana, somente. A gestão do processo estratégico público ou empresarial, sendo desdobrado em cultura organizacional, indicadores, sincronismo entre áreas de negócio, compreensão dos benefícios fiscais, proximidade com universidades e gente altamente qualificada, pode ser compreendida como inovação. 

No entanto, há muito o que se fazer por esta área do conhecimento. Nos últimos anos, a taxas de investimento em inovação, com destaque para avanços tecnológicos e em institutos de ciência e tecnologia no Brasil, não ultrapassaram mais do 1% do PIB. Ao comparar com países desenvolvidos, estamos atrás nesta corrida. Países-membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), têm investido, em média, 4% do PIB em inovação.

Um dos pilares que sustenta o crescimento das práticas de inovação é a qualidade da educação, chamando atenção para a formação de engenheiros. Neste quesito, mais uma vez, o desafio é grande. Em testes internacionais, o Brasil tem ficado nas últimas colocações para conhecimentos de matemática, ciências e línguas. Complementando, na lista das cem melhores universidades do mundo, não temos sequer um único representante.  

Apesar do cenário adverso para a compreensão das práticas de inovação e capacidade de investimento do tema no Brasil, muitas empresas privadas vêm demonstrando crescimento, graças a práticas inovadoras. Empresas do setor de consumo vêm demonstrando aumento da sua produtividade, de acordo com esforços significativos de melhoria de processos e otimização de recursos financeiros. Já o setor de aviação evidencia o quanto é importante desenvolver tecnologias de ponta para aumentar a atratividade de vendas e novos clientes. 

Fundamentalmente, todo o esforço por inovação no Brasil deve ter o reconhecimento do pioneirismo da Embraer e Embrapa. Ambas foram as impulsionadoras de pesquisas de ponta, levando todo este conhecimento para o mercado. Esta prática somente tornou-se possível por meio de instrumentos claros de controle, sendo desdobrados em estratégia de inovação, treinamento para formação de gente de alto nível, estudos para produtividade, riscos financeiros e planos de curto e longo prazos.

Conclui-se que, para inovar, não basta ser criativo ou ser genial. É vital o processo de análise sistêmica, realizando comparações por aqueles que são líderes em suas estratégias. Mais do que isto, exemplos pioneiros no Brasil nos dizem que, para o aumento da inovação, a mescla por gente qualificada, indicadores de gestão e visão de mercado sempre é bem-vinda.


Fonte: Fundação Dom Cabral  



Arquivo de Dicas

+ Veja mais dicas

DP Empresarial - Todos os Diretos Reservados - CNPJ: 02.961.841/0001-90
  • Blumenau SC | (47) 3331-3600
Acompanhe nossos canais: Dpempresarial no facebook! Twitter | Dp Empresarial Dpempresarial no blogspot! Dpempresarial no linkedin!

Desenvolvido por